5 Minutos de Leitura

Você, certamente, em algum momento de seu tratamento de skincare, já deve ter se deparado com os termos ‘comedogênico’ e ‘não comedogênico’ estampado na embalagem de seus produtos cosméticos. Esses termos derivam da palavra ‘comedão’, que são nada mais do que os famosos cravos.

Produtos rotulados com o termo ‘comedogênico’ são aqueles com maior possibilidade de obstrução dos poros — obstrução essa que pode causar um acúmulo de sebo nesses orifícios e, consequentemente, estimular a oleosidade da pele e o surgimento de acne.

Produtos com o termo ‘não comedogênico’ são aqueles formulados especialmente para evitar essa obstrução dos poros, não contando com ativos que apresentam esse potencial. É recomendado sempre optar por produtos não comedogênico, independente do tipo de pele. Especialmente quem já passou por algum tipo de tratamento para acne e pessoas com a pele oleosa devem optar por eles.

Em suma, a grande maioria dos produtos comedogênicos tem como base de suas composições substâncias que acabam sendo absorvidas em excesso pela pele, causando entupimento dos poros e, posteriormente, disfunções.

Já os produtos não comedogênicos são fabricados a base de ativos que conseguem ser absorvidos pela nossa pele sem causar a obstrução dos poros.

O índice que indica a classificação comedogênica de um produto

Para descobrir quais são os produtos comedogênicos e não comedogênicos, principalmente daqueles em que os termos não estão disponíveis em sua embalagem, existem algumas opções.

O primeiro método, amplamente utilizado pela indústria dermatológica, é o teste de comedogenicidade. Realizado através de avaliações clínicas e laboratoriais, em condições controladas, avalia o potencial de um produto no surgimento de acne ou não.

Os produtos da Dermage passam pelo teste especificado acima e possuem comprovação que atestam sua não comedogenicidade.

Outra maneira utilizada para classificar o nível de potencial de obstrução dos produtos é o Índice Comedogênico.

Mulher passando dermocosmetico no rosto

Utilizando uma escala numérica de 0 a 5, classifica o nível de obstrução que esses produtos podem causar na pele. Nessa classificação, o nível 0 é aquele que não tem potencial de entupir os poros e o nível 5 é o que possui alta chance de causar o entupimento.

Confira a tabela e entenda melhor essa classificação:

  • 0 – O nível ZERO indica a não obstrução de poros;
  • 1 – O nível UM indica uma probabilidade baixa, porém existente, de obstrução;
  • 2 e 3 – Esses níveis oferecem probabilidade baixa/moderada de obstrução;
  • 4 e 5 – Aqui, a probabilidade de obstrução é considerada moderada/alta e necessita de observação e cuidado ao ser utilizado.

É necessário cuidado ao avaliar os produtos através dessa escala, pois um ingrediente pode estar classificado no índice com um certo grau de comedogenicidade, porém quando presente na fórmula em baixa concentração e combinado a outros ativos, não irá exercer o potencial comedogênico.

Por isso, busque sempre por selos e certificações de não comedogenicidade e consulte seu dermatologista.

Devo usar apenas produtos não comedogênicos?

O uso de produtos dermatológicos deve ser feito de acordo com cada tipo de pele. Caso a pessoa tenha a pele mais oleosa, é indicado evitar produtos com nível comedogênico, já se a pele for seca, esse índice pode ser um pouco mais elevado e não causar condições adversas.

É importante investir em produtos não comedogênicos ou com baixo nível de comedogenicidade para todos os tipos de pele, inclusive a pele seca, evitando a obstrução dos poros com o decorrer do tempo. No entanto, apenas o dermatologista poderá indicar o tratamento ideal para cada tipo de pele.

Aplique o índice comedogênico ao seu tipo de pele

Pele Normal – Nem seca e nem oleosa, a pele normal raramente apresenta desequilíbrio em hidratação ou oleosidade e ainda apresenta poucas linhas e rugas. Para esse tipo de pele, é importante apenas manter o equilíbrio natural. Por isso, é indicado o tratamento com produtos um pouco mais consistentes e hidratantes mas tenha cuidado e use-os com moderação.

Pele Seca – Para esse tipo de pele, é essencial a hidratação regular na rotina de skincare, recuperando o seu nível hídrico. É recomendável que o tratamento da pele seca seja feito com produtos mais emolientes e densos.

Pele Oleosa e Acneica – A recomendação no tratamento de pele oleosa e acneica, invista em produtos livres de fragrância e com ativos calmantes.

Pele Sensível – Óleos de nível DOIS e TRÊS, como os de sementes de mamão, pêssego, tamanu, uva e melancia são opções ótimas para hidratar a pele sensível por serem óleos puros, uma vez que não há aditivos ou fragrâncias com os quais lidar.

Pele Mista – Uma mistura de pele oleosa e seca, e possivelmente o tipo de pele mais comum entre os brasileiros, exige dois tipos diferentes de necessidades: hidratação e limpeza constante para estar equilibrada. Invista em produtos leves, de rápida absorção e com ativos hidratantes.

Fique mais um pouco no DermaBlog e não deixe de conhecer outros de nossos artigos. Descubra e aprenda a identificar e cuidar da sua pele e também a escolher o melhor protetor solar!

5/5 - (Total de avaliações: 8)